Empreendedorismo

Amigos, amigos. Negócios à parte.

22 de junho de 2017

 

Passei uma parte da minha vida ouvindo frases sabotadoras como essa e não vou mentir: sempre tive receio de tocar projetos com pessoas muito próximas e depois ter problemas, afastando-as do meu convívio.

Mas a boa notícia é que os negócios dos últimos anos foram feitos com amigos, e com estranhos que viraram amigos, e a resposta foi surpreendente. Tive excelentes resultados em conjunto com boas companhias.

Com este humilde texto, quero lhes contar o que mudou e por quê isso tem dado tão certo comigo.

Na verdade, o que mudou foi o meu comportamento com relação aos outros; passei a desenvolver mais empatia, tentando entender as pessoas e trabalhando as minhas dificuldades. Quando percebemos que a maior parte dos nossos problemas e das coisas que nos afetam têm mais haver com nosso interior do que com os outros, os negócios começam a prosperar.

A maior dificuldade nessa caminhada não são os problemas em si, pois, querendo ou não, eles aparecerão. A questão é: como vamos reagir a todos eles??

Criar conflitos com pessoas que trabalham no seu time não facilitará sua extinção. Quando entramos em um projeto com um grupo, temos que pensar, primeiramente, em como fazer dar certo, a vida das pessoas que estão envolvidas.

Seguem alguns pontos importantes que vão lhe ajudar a solidificar e estender as suas parcerias, além de fortificar o seu negócio.

 

1) Antes de começar um novo projeto, pergunte-se: o que vale mais a pena, o negócio ou a parceria?

Temos que ponderar que negócios vão e vêm e algumas parcerias são eternas. Nem sempre ganhamos e, às vezes,  vale mais a pena abrir mão do agora para se ganhar em dobro no futuro. Vamos combinar que nem o investimento mais seguro vai lhe garantir ganhos sem perdas; precisamos sempre pensar no conjunto e analisar as possibilidades de lucro, de uma forma geral.

Um outro ponto para pensarmos é que, na vida, temos que criar um exército de força positiva, afinal, quando tiver um projeto e precisar juntar um grupo de pessoas, quem você procurará? Geralmente, serão camaradas e amigos, e é por isso que acredito que o segredo do sucesso está nos relacionamentos.

 

2- Respeite a individualidade de cada um.

Este ano, tive incríveis resultados com amizades em diferentes seguimentos. As coisas foram acontecendo “sozinhas”, pelo simples fato de eu entender e respeitar cada companheiro, de forma única. Percebi que cada amigo tem um papel nas distintas áreas da minha vida e que forçar uma situação na qual a pessoa não está apta a me dar suporte, causa afastamento e decepção.

Tenho amigos que são excelentes companhias para viajar; outros, para ir ao cinema; outros, para trabalhar duro e produzir em conjunto. Procuro dividir as minhas necessidades e supri-las junto dos amigos que mais se encaixam na “categoria” do dia. Afinal, não vale a pena insistir e obrigar as pessoas a fazerem o que elas não gostam ou não querem! Será um desagrado para ambos os lados.

Dê a oportunidade para cada amigo desenvolver-se ou atuar em alguma área da sua vida, de forma natural e espontânea!

 

3- Procure uma parceria que o complete.

Às vezes, queremos trabalhar com pessoas que têm personalidade similar à nossa, mas isso pode ser um grande erro, pois a evolução será lenta. Alguém totalmente diferente vai abrir seus horizontes e incentivar você a andar por caminhos desconhecidos. O que temos que entender é que, em um projeto relativamente grande, não conseguiremos fazer tudo e, quase sempre, vamos precisar de pessoas que façam trabalhos distintos e tragam novas perspectivas.

Precisamos nos tornar parceiros daqueles que têm um conhecimento que os distingue. Se você quer entrar em uma área desconhecida, a melhor maneira de fazê-lo é aliar-se com quem entende muito bem do assunto ou, até mesmo, está à sua frente nesse sentido.

Um grande exemplo desse tipo de parceria é a Apple, criada pelo memorável Steve Jobs. Ele entrou em um projeto com seu sócio Steve Wozniak, cada um com competências completamente diferentes: um com a técnica e outro com habilidade comercial e interpessoal. Juntos, eles criaram uma das maiores empresas de tecnologia e inovação, que marcou uma nova era.

Conheço muitas pessoas que são técnicas e que não obtêm o sucesso esperado porque ainda não estão aliadas a alguém com habilidades interpessoais, para ajudá-las a oferecer e vender seus produtos e serviços.

 

4- Capacidade de detectar aproveitadores.

Nesse caminho, nem todos farão parte da jornada; você vai encontrar pessoas que só querem pegar carona na sua bicicleta, mas não querem se esforçar, nem mesmo, para pedalar. Dessa forma, você nunca sairá do lugar e, ainda, vai ficar bem cansado.

As pessoas proativas são aquelas que vão ajudá-lo, sem precisar efetivamente de um comando; elas sabem o que deve ser feito e vão incomodá-lo com o mínimo, e na data ou prazo estipulado, irão entregar o que foi combinado, sem muitos rodeios ou extensões de prazo.

Já os aproveitadores vão afirmar que estão com você e acreditam naquilo que está disposto a realizar, mas, na hora de efetivamente colocar a mão na massa, eles vão se esquivar e ficar em cima do muro, esperando a oportunidade certa para entrar e obter alguma vantagem, contribuindo com o mínimo possível e aguardando a hora de ter retorno sem esforço algum.

Nesse caso, não precisa perder a amizade: somente afaste essas pessoas do seu projeto e troque-as por outras que tenham paixão pelo trabalho e trarão resultados visíveis.

 

5- Trabalhe com pessoas que fazem a diferença.

Mais do que descartar quem não quer colaborar, é importante encontrar pessoas que compartilham da sua filosofia de vida. Eu tenho tido a experiência de trabalhar com muita gente, mas, por incrível que pareça, os mais ocupados e interessantes são os que mais se engajam e se dedicam, pois são extremamente focados no que querem, não gostam de perder tempo e entendem que a falta de compromisso atrapalha a vida de ambas as partes.

Quem tem foco nos seus objetivos encontra tempo para aquilo que lhe interessa, e sabe que o resultado virá.

 

      “O propósito da vida não é vencer. O propósito da vida é crescer e compartilhar.”                          Jonh C. Maxwell

 

Diante disso, não podemos esquecer que pessoas são mais importantes que coisas e valorizar as parcerias é tão essencial quanto tocar o projeto, pois, no final, não é uma casa a mais, um carro a mais que estarão do seu lado para comemorar e apoiá-lo, quando as coisas realmente estiverem dando certo.

E quando alguém chegar para lhe apresentar um projeto, CUIDADO! Não seja arrogante ao ponto de dizer que o negócio não dará certo. Extraímos só o que as pessoas têm de pior quando não enxergamos suas qualidades. Se você não tiver uma palavra de ânimo, não derrube e não tire a esperança de ninguém. Nós não temos habilidade para lidar com sonhos! Se eles são absurdos, permita que as próprias pessoas que os conceberam deem-se conta disso. Até porque, podem, muito bem, dar resultado!

Apesar do medo que eu sinto de avião, imagino que só estou ali porque existiu alguém no mundo capaz de sonhar. Você tem um sonho? Então foco no trabalho e boa sorte! 🙂

 

                                   

Relacionados a este post

Nenhum comentário

Escreve uma resposta

Receba nossas atualizações

e inspire-se com dicas sobre independência financeira