Empreendedorismo

Aposentada aos 28 anos

17 de julho de 2018
Estava pensando sobre o conceito de aposentadoria que nos foi apresentado há décadas e ainda está arraigado na sociedade nos dias atuais. São ideias que fixaram-se no subconsciente coletivo e permanece “aprisionadas” lá até hoje. Por pensar e ter feito diferente e, principalmente, por saber que a maioria dos “idosos” não se aposentam mais como antes, decidi escrever esse texto. 
 
O Economista Andrew Scott da London Business School e coautor do livro: “A vida aos 100 anos: vivendo e trabalhando na era da longevidade”, diz que atualmente os idosos têm uma probabilidade menor de morrer, tendo mais vigor hoje que 50 anos atrás.
 
Em países como EUA muitas pessoas “aposentam-se¨ com o salário básico que dá para cobrir as despesas primárias, porém, continuam trabalhando. A ideia de aposentar-se e continuar trabalhando ocorre por inúmeros motivos, os principais são: querer sentir-se ativos, abraçar novos desafios, aumentar a renda ou simplesmente  aproveitar esse longo período sabático e fazer atividades que lhe dão prazer sem nenhum compromisso financeiro, afinal o foco é aproveitar e investir no que, sempre sonhou-se fazer.
 
No dicionário a palavra tem alguns significados diferentes como: “ação de afastar-se do trabalho após completar os anos necessários (estipulados pela lei)”,  “encerrar as atividades de trabalho” , “passar a receber previdência privada ou pública após certo tempo de pagamento e atividade de trabalho”. Na minha opinião aposentar-se é: ¨Não trabalhar mais por dinheiro, juntar um bom patrimônio que pague as contas “básicas” e dê oportunidade de tocar projetos que tragam um sentimento de propósito para a vida¨.
 
 
COMPARTILHANDO A MINHA EXPERIÊNCIA
 
Comecei a trabalhar muito cedo, com 15 anos de idade, eu era a única que tinha um “trabalho” na época da escola. Fazia “eventos” que representavam marcas em feiras e shows entregando brindes e bebidas. Essa era a forma que tinha de ganhar uma grana extra e evitar pedir dinheiro para meu pai. 
 
Nesse período tive altos e baixos, pois não sabia lidar com o dinheiro e acabava gastando tudo que ganhava. Nessa época tinha muitas dívidas. O tempo passou e aos 20 anos comecei a trabalhar na empresa que estou até hoje, comecei vendendo seguro de vida e acabei me especializando no mercado de investimentos internacionais, e no mesmo período comecei a estudar e ler muito sobre esse mercado. Foi ai que comecei a juntar quase tudo que ganhava e por um longo tempo essa foi a minha prioridade.
 
Desenvolvi um plano estratégico, porque o que eu mais queria era mudar de vida e organizar minha vida financeira. Então, minha técnica era gastar o mínimo possível, apertei e enxuguei meus custos, trabalhei duro, não pagava aluguel, não tinha gastos, pois, morava com os meus pais. Foi exaustivo, alguns dias trabalhava de 7h da manhã ás 10h da noite. Fazia muitos cálculos e guardava os folders com propagandas de imóveis que recebia nos sinais, pois um dos meus primeiros planos era comprar um imóvel. Após 1 ano e meio, comprei meu primeiro apartamento na planta e quitei sem deixar nem R$1 real em débitos. 
 
O tempo passou e continuei trabalhando no mesmo ritmo, fiz networking, conheci pessoas chaves e grandes empresários que abriram e abrem muitas portas para mim até hoje, fiz negócios em diferentes segmentos e com 28 anos já tinha acumulado uma quantia interessante. Passei a investir esse dinheiro e o faço até hoje, esses valores que passei a investir me proporcionam dividendos e se hoje eu parar de trabalhar possuo uma renda que paga as minhas contas básicas como: aluguel, plano de saúde, contas de água, luz e internet…
 
 
NOVA FASE
 
Aos 28 anos já me considerava aposentada, pois, pagando as contas básicas, comecei a trabalhar com outro objetivo e o que eu ganhava passou a ser destinado para investir em projetos paralelos. Foi exatamente nesta fase que decidi parar de trabalhar por dinheiro e montar projetos que me trouxeram felicidade e sentimento de propósito. 
 
A primeira decisão foi abraçar a oportunidade que meu trabalho me deu, acabei mudando para Nova York. Tirei o famoso ano sabático, entrei em uma escola de inglês, fiz curso de business e cursos de finanças no local mais famoso do mercado financeiro mundial, Wall Street. Foi um momento fantástico de conhecimento e novas experiências, afinal morar em outro país é sair 100% da zona de conforto. 
 
Sempre tive um sangue comercial correndo nas veias e depois de algum tempo voltado aos estudos, sentia a necessidade de voltar a trabalhar com todo vapor. Foi ai que montei esse blog, uma empresa de refrigeração e juntamente com Ricardo Rosa, parceiro e amigo, fundamos o www.brazilianbusinessusa.com. O principal foco do BBU é auxiliar o pequeno e médio empreendedor Brasileiro nos Estados Unidos, promovendo eventos, workshops e conteúdos digitais.
 
Desde então minha vida tomou um novo rumo, mas não foi  só uma pequena ação que me levou a independência financeira aos 28 anos, foi uma adolescência e juventude de abdicações e restringindo alguns prazeres para alcançar algo maior no futuro. Eu sempre brincava dizendo: “Não nasci para trabalhar até a velhice, me aposentar e só depois curtir  a vida”.  Aprendi que não devemos esperar fins de semana, feriados, férias e a velhice para curtir a vida, pois, o mais gostoso é aproveitar com moderação durante a vida inteira e se divertir na caminhada até chegar lá levando seus amigos, seguidores e família juntos nesse barco.
 
Investir no futuro compara-se a fazer dieta, se você exagerou no fim de semana, durante a semana precisa correr atrás do prejuízo e do tempo perdido, viver uma vida mais equilibrada será nossa eterna busca.
 
 
SEGUIR EM FRENTE 
 
Muitas vezes, algumas pessoas ao se depararem com a sensação de ¨paralisação¨, vitimizam-se e culpam o mundo e as pessoas ao redor, isso não trará a solução. Tive diversos momentos de fraqueza, falta de dinheiro, de esperança e minha única saída foi lutar e utilizar o que tinha ao meu favor para executar meus planos e obter liberdade a longo prazo.
 Continuo tendo outros tipos de problemas que o processo de empreender nos trás como: conflitos de tempo, projetos em atraso, compromissos adiados, trabalhar com pessoas difíceis, problemas gigantescos inesperados, gastos que aparecem do nada, e um desespero típico de quem empreende em outro país. Fora os outros defeitos que carrego na minha personalidade, mas ler e trabalhar em cima das minhas fraquezas têm sido meu grande desafio.
Essa  história poderia ser um depoimento vitimizado, pois tudo depende do ângulo que enxergamos as coisas, mas acho que isso não traz benefícios nem evolução para nossa vida de forma geral. Atualmente, eu só abraço projetos por amor, faço negócios por prazer, escrevo por hobby e sempre busco novos desafios que fazem me sentir viva. Meu maior patrimônio é poder viver a vida com propósito pois, eu descobri que quando crio algo que ajuda o mundo e as pessoas de alguma forma eu me sinto realizada.
 
Hoje, posso dizer que trabalho por prazer e não pelo dinheiro!! Então trabalhe duro, saiba lidar com as adversidade e trabalhe de dentro para fora, e assim conseguiremos viver a vida que sonhamos. 😉
 
Espero ter inspirado você, pois, essa foi a minha intenção! 
 

Até a próxima.

 

P.S: Aproveite e deixe seu comentário abaixo, ou até mesmo sua pergunta. 🙂

Foto by: Bruno Fonseca

Relacionados a este post

16 Comentários

  • Responder Iara Letícia camposano vieira 24 de julho de 2018 a 20:17

    Adorei o texto!!

    • Responder Verena Cordeiro 5 de março de 2019 a 19:46

      E eu adorei o seu comentário!!

  • Responder Taiara Desirée 26 de julho de 2018 a 19:34

    Sensacional, assim como todos os seus posts. Parabéns pelo excelente texto, Vê!!!! Inspirador, motivacional, e me identifiquei deveras. Trabalhar por amor e com um propósito maior proporciona riquezas que muitos desconhecem!!

    • Responder Verena Cordeiro 5 de março de 2019 a 19:45

      Obrigada pela sua participação!! Ter pessoas assim por perto engrandecem o nosso propósito.

  • Responder Lorena 31 de julho de 2018 a 18:22

    Você é fera! Seus textos inspiram pessoas. Parabéns!

    • Responder Verena Cordeiro 5 de março de 2019 a 19:44

      Lore, obrigada por estar aqui!! Você me inspira em diversas formas.
      Juntos somos mais fortes.

  • Responder Thiago 1 de agosto de 2018 a 13:19

    Sensacional seu texto Verena! Venho há alguns anos seguindo uma linha bem similar a sua e fiquei muito feliz em saber da sua trajetória. Muito show!

    Desde que eu li o livro chamado Soft Skills em 2014, onde o autor conta como ele conseguiu se “aposentar” aos 33 anos e redefiniu o conceito de aposentadoria pra mim venho pesquisando e aplicando muitos dos conceitos do que a comunidade americana chama de FIRE (Financial Independence Retirement Early).
    Aposentadoria é basicamente quando você consegue pagar suas contas básicas (aluguel ou casa própria + contas (luz, água, gás, internet, condomínio…) e alimentação sendo os principais) com sua renda passiva (seja com dividendos de ações, aluguel de imóveis seus, venda de produtos digitais…). E também, como você menciona no texto, quando você começa a trabalhar 100% por amor e não pelo dinheiro em si. O dinheiro passa a ser mais uma conseqüência e menos uma necessidade. Você pode arriscar sem medo de perder o emprego ou o seu único cliente porque você simplesmente não precisa daquilo para manter o seu padrão de vida atual.

    Para outras pessoas que podem estar também interessadas no assunto, super recomendo esse post do famoso Mr. Money Mustache (uma das grandes figuras da comunidade Early Retirement Americana) com a matemática super simples para atingir a aposentadoria precoce:

    https://www.mrmoneymustache.com/2012/01/13/the-shockingly-simple-math-behind-early-retirement/

    E para finalizar, um livro que eu li esse ano e que me fez ter muitas reflexões: Early Retirement Extreme.
    Escrito pelo famoso Jacob do blog de mesmo nome. Provavelmente a primeira pessoa a escrever sobre o assunto na internet no começo dos anos 2000.
    O Jacob conseguiu atingir a aposentadoria dele em menos de 5 anos com um salário de pesquisador de universidade – segundo ele – meros $30 mil anuais na Califórnia (um dos estados mais caros)

    Parabéns novamente!

    Abraços

    • Responder Verena Cordeiro 5 de março de 2019 a 19:42

      Amei seu comentário, concordo com tudo isso!! Eu já leio o Mr Money Mustache há anos, que bom ter você aqui. Vamos juntos nos ajudando. Esse ano pretendo está mais ativa aqui no blog e me segue lá no instagram: @verenaoficial que trocamos umas ideias!! P.S: Gostei da dica do livro. 😉

  • Responder Marlon 1 de agosto de 2018 a 16:00

    Adorei e me senti inspirado. Continue nesse hobby que inspira pessoas como eu e outras a saírem do conforto e correrem por seus propósitos. Beijo e abraço.

    • Responder Verena Cordeiro 5 de março de 2019 a 19:36

      Muito Obrigada!! Por comentários assim que sigo em frente.

  • Responder Giovanna Ribeiro 19 de março de 2019 a 10:59

    Esse texto é uma verdadeira inspiração. Parabéns!

    • Responder Verena Cordeiro 21 de março de 2019 a 16:35

      YaY! 🙂

  • Responder Giovanna Ribeiro 19 de março de 2019 a 11:01

    Um dos meus textos favoritos, ele é uma verdadeira inspiração. Parabéns!

    • Responder Verena Cordeiro 21 de março de 2019 a 16:35

      Caramba Gio, Obrigada!! Fico tão feliz em ver uma menina jovem com uma cabeça igual a sua.
      Pessoas assim fazem a diferença.

  • Responder RIGOBERTO JUNIOR 28 de março de 2019 a 19:11

    Muito Surpreendente !

    • Responder Verena Cordeiro 1 de abril de 2019 a 01:06

      Obrigada Rigoberto, um prazer te ter aqui.

    Deixe uma resposta para Thiago Cancelar resposta

    Receba nossas atualizações

    e inspire-se com dicas sobre independência financeira