Empreendedorismo

Como o ano de 2016 pode mudar o seu futuro?

15 de dezembro de 2016

É só entrar nas redes sociais para perceber o total desprezo da maioria dos brasileiros pelo ano de 2016.

Realmente passamos por uma rota de colisão. Primeiro, com o fim da década dourada das matérias-primas “commodities” (2003-2012) seguido do impeachment da presidente Dilma Rousseff em agosto deste ano, porém,  consigo enxergar uma posição super positiva sobre tudo que aconteceu e acredito que ainda vamos tirar uma grande lição!

O Brasil nunca tinha feito uma faxina tão rigorosa desde o seu descobrimento, ao contrário, fomos empurrando todos os nossos problemas com a “barriga”.

A bola de neve foi crescendo e crescendo e o grande dia chegou, os brasileiros começaram tímidos com panelaços e as mobilizações tomaram corpo. Estamos passando por um momento histórico, onde a população deu um basta, principalmente com relação à corrupção.

E isso sim é uma grande mudança histórica!!

Porém, precisamos entender que todo esse desânimo vem da conta que estamos pagando por 500 anos de omissão, afinal todos nós sabíamos como funcionava esse sistema desde que Cabral “descobriu” o Brasil.

Reclamamos nas redes sociais como se o sistema já não estivesse caótico desde 1500.

Nas terras tupiniquinis honestidade era uma palavra que só víamos no dicionário, só era exercitada por uma minoria. O famoso “jeitinho brasileiro” nos trouxe uma alta dívida moral e uma péssima fama fora das nossas fronteiras.

O Brasil sempre foi um país no qual as leis só se aplicam nas universidades de direito e na parcela pobre da população oprimida. Pois, até alguns poucos anos atrás tudo era resolvido na base da propina e da corrupção.

 

Inversão de Valores

A riqueza feita de forma ilícita era comemorada pelos parentes e amigos daqueles que  usufruíam dos privilégios e regalias. A expressão falta de caráter foi substituída por esperteza e assim seguíamos recriminando os políticos e falsificando carteiras estudantis.

A verdade é: a população sempre foi permissiva deixando a elite e os politicos dominarem o cenário nacional a ponto de imitarem seus comportamentos, e justifica-lós com frases tipo “Ele rouba mas faz”, “eu sonego porque eles nos roubam” , “não vejo a cara dos meus impostos” “faço isso porque o país é uma baderna”.

Aos invés de ir atrás do prejuízo de forma mais “justa” passaram a permitir e a atuar da mesma forma com seus pequenos furtos e delitos sem nenhuma moral para reprimir aqueles que permitiam tamanha desordem.

O país cresceu, a população teve mais acesso à educação, inclusive viajando mais e vendo países desenvolvidos vivendo de uma forma mais organizada e honesta. Aí percebemos que esse não era o caminho certo do progresso, e se não tomássemos uma posição certamente já teríamos virado uma nova Venezuela.

O poder sempre esteve nas mãos do povo, nós que elegemos quem está comandando a nação, mas um país que foi explorado desde o seu “descobrimento” demorou a acordar.

O ano de 2016 foi repleto de coisas boas, de muita justiça, lutas por direitos raciais, movimentos em prol de direitos roubados.” Poderosos e homens de negócios que dominavam o cenário nacional estão atrás das grades pagando pelos seus crimes.

Se há alguns anos atrás você me dissesse que   Marcelo Odebrecht estaria atrás das grades eu provavelmente não acreditaria, desde junho de 2015 o mesmo cumpre pena em regime fechado.

A de se estranhar que alguns politicos do PSDB citados por Marcelo na lava jato ainda não foram punidos, por isso eu ainda vejo uma seletiva punição. Será que nossa democracia vai continuar sendo derrubada por interesses obscuros? Será que vamos continuar sendo golpeados por uma elite injusta? Até quando vamos continuar permitindo que essas famílias enriqueçam ilicitamente nas nossas costa desde 1500?

Essa é a hora de mudar os próximos 400 anos na nossa história, devemos cobrar do Moro a punição do  Aecio, Alckmin e tantos outros  políticos e os empresários do PSDB que ainda não foram punidos.

 

Superação

Não podemos esquecer da abertura e do encerramento das olimpíadas, foi emocionante e mostramos ao mundo que apesar de tudo somos um povo forte e trabalhador que queremos nos redimir dos nossos erros e exigimos mudanças.

Sei que tivemos muitos momentos de tristeza, porém, precisamos pagar essa conta! Essa é a lei da semeadura “aqui se planta, aqui se colhe”. E o que temos que fazer é levantar a cabeça e sermos gratos por essa grande oportunidade de tentarmos mudar o país para as próximas gerações.

Não existem lutas sem prejuízos, e guerras sem feridos, riscos sem perdas. Não se victimize culpando o ano de 2016, o foco está na solução !! Quem muito murmura não sai do lugar.

Você não precisa  me dizer que tudo está difícil,  nem se lamentar no Facebook. Se continuarmos em casa sentados no sofá sem o mínimo de participação nossas vitórias também não chegarão. Afinal essa briga é coletiva.

Vamos arregaçar as mangas e discutir soluções, incentivar os movimentos e a pressão popular. Sei que teremos alguns anos de recessão, desemprego e apertos fiscais, porém se não pagarmos esse preço vamos retroceder e nos curvar a tirania que nos aprisionou por séculos.

O verdadeiro grito de liberdade está sendo dado há somente alguns anos. Se compararmos o tempo de omissão aos próximos anos de recessão ainda estaremos no lucro, vamos trocar alguns anos por toda uma vida de liberdade.

À luta ainda não acabou! Vamos em frente, vamos nos unir! Críticas não mudaram a sua situação. Seja otimista e exercite a gratidão por um ano cheio de milagres e oportunidades!!

P.S: Estudos confirmam que a gratidão faz bem ao corpo e a alma.

Obrigada 2016 por um ano cheio de oportunidade e por estar viva presenciando tamanha Vitória da justiça e da democracia brasileira.

Um feliz 2017 a todos!!

P.S: Se você gostou desse texto, deixe seu comentário abaixo! Ahhh e aquele like la na fanpage, isso ajuda na divulgação desse conteúdo. :*

 

 

photo by: Society6.com

Relacionados a este post

Nenhum comentário

Escreve uma resposta

Receba nossas atualizações

e inspire-se com dicas sobre independência financeira