Empreendedorismo

Redes Sociais- Uma lata de lixo a céu aberto

18 de março de 2017

A vida não está nada fácil para aqueles que buscam informação on-line. O que mais encontramos são textos sem fundamentos e conteúdos vazios.

O descartável domina o cenário com um teor fraco, que nos traz uma sensação de tempo perdido; uma enxurrada de textos de autoafirmação, com palavras-chaves como “aceite-se”, “seja quem você é”… ninguém precisa mudar, afinal, a sociedade está aí para isso, para aceitar a todos!

Essa foi a nova lei on-line que entrou em vigor, porque aceitar os seus problemas e perturbações é bem mais fácil do que buscar curas, mudanças e, principalmente, soluções.

Levamos uma vida frágil, fugindo dos confrontos internos, e é exatamente por isso que textos críticos não estão na moda.

As pessoas estão infelizes com suas escolhas e decisões, mas boa parte do que lemos ensina que você precisa dizer que está tudo bem. Está amargurado? Tudo bem! Está com depressão? Tudo bem! A vida não faz sentido para você? Ahhh, TUDO bem!

O que realmente importa é a cervejinha com os amigos no fim de semana, bate-papos sem profundidade, beijos sem conversa, saídas sem propósitos.

 

POSTAGENS NO FACEBOOK

Passei as últimas semanas analisando as postagens no Facebook, e o que tem me assustado é como ficamos frios e apáticos com o sofrimento alheio. A maioria das pessoas está indiferente aos problemas mundiais e, até mesmo, aos locais.

Crianças morrendo na África por falta de comida, notícias sobre a economia caótica, os países entrando em colapso financeiro e moral, crianças assassinadas nas escolas, segurança do Habib’s mata e arrasta menino, em plena luz do dia, e para finalizar acabamos de descobrir que comiamos carne podre com papelão. Estou passando mal…

Depois de ler esse tipo de notícia, que embrulha o meu estômago, eu volto para o Facebook para analisar, mais uma vez, as postagens do dia. Eu imaginava ver alguma declaração, movimento, discurso, papo aberto. Eu esperava, ao menos, um suspiro, principalmente por parte daqueles que reclamam do governo e clamam por mudanças!!

Mas o máximo que eu encontrei foi a selfie do fim de semana.

Ligaram-me, semana passada, para dizer que está “chato” falar mal do Brasil! Essa afirmação me fez lembrar por quê as piadas descabidas viralizam por lá; passei a entender por quê jornais com uma mínima reputação, andam publicando o look do dia de artistas andando pelas ruas.

Será que o nível intelectual e a sensibilidade à dor regrediram??

“Tá louca… mas isso não lhe afeta, a classe média só protesta quando médica branca é assassinada!!” – alguns podem dizer. Só assim lembramos que a educação precisa de verbas e investimento e temos que repensar a distribuição de renda e igualdade racial.

Enquanto isso não acontece, postamos o resumo das selfies do fim de semana e, dessa forma, criamos a falsa ilusão de que está tudo bem.

Quanto mais a crise aumenta, mais egoístas nos tornamos e, consequentemente, mais distantes da solução.

 

TUDO ME INCOMODA

Nós nos incomodamos mais com o que o outro publica do que com as nossas próprias doenças e problemas. Em vez de buscar a nossa cura, perdemos tempo com discussões agressivas, tentando provar quem sabe mais.

Às vezes, não nos damos conta de que opinião é “opinião” e cada uma tem a sua interpretação. Discutir com classe e educação é algo escasso nos dias de hoje.

Não estou aqui para levantar bandeiras nem mesmo julgar se isso está certo ou errado, mas acho que devemos respeitar e dar mais oportunidade para outras ideias entrarem no lugar de matérias sobre “feliz, mesmo, é aquele que toma uma cerveja com os amigos no sabadão”.

Devemos nos preocupar menos com o que dizem os demais, afinal, é somente uma opinião!!! Correto? Mas, em tempos de guerra fria, uma frase no Facebook pode se transformar em rupturas de amizades de longa data.

E por que os seus álbuns, com todas as fotos do seu “fantástico” carnaval, não enchem o saco? Ou o resumo do fim de semana que se estende até a próxima sexta??

Também acho uma pena as pessoas não se sensibilizarem com esse tipo de notícias: “30% da população brasileira nunca comprou um livro”. Ou, então, ter que aturar racismo, falta de compaixão e de autoanálise.

 

Atualmente as redes sociais estão sendo usadas para tudo, menos para socializar! 

 

O ideal é dizer “tudo vai dar certo”, já que falta de caráter social virou cultura; o egoísmo do político está errado. Mas quem é contra o bolsa-família, não está.

A realidade é que discussões e polêmicas geram desconforto, principalmente, em saber o quanto somos egoístas, pequenos, insensíveis, desumanos e frios diante do caos que estamos vivendo.

Não estou dizendo que as pessoas deveriam ser todas politizadas, nem mesmo afirmando que você não deveria publicar 300 fotos do seu filho no final de semana. O problema é evitar discussões e ainda criticar, de forma egoica e descabida, aqueles que o fazem.

A minha posição sempre foi: o mundo está um caos e nós ficamos trancados nas nossas casas, como se vivêssemos em um parque da Disney.

Ahhhh… mas quando for assaltado, vai escrever textão, falando sobre políticas públicas; quando seu filho for assassinado pelo tráfico, vai fazer mutirão na praça; quando a médica for sequestrada, vai para a TV chorar e dizer que o país está uma bagunça.

E enquanto isso não lhe afeta… ah, meu amigo, eu continuarei postando as minhas “selfish” selfies, afinal, para quê solução, se vivemos no país do carnaval?

E vocês, Qual a sua opinião sobre as Redes Sociais?

 

Vamos manter uma relação mais próxima? Então e só me seguir no Instagram!!

Relacionados a este post

Nenhum comentário

Escreve uma resposta

Receba nossas atualizações

e inspire-se com dicas sobre independência financeira